Fisioterapia pélvica

on Terça, 12 Janeiro 2016. Posted in noticias

Fisioterapia pélvica

A Fisioterapia Pélvica abrange o estudo, a prevenção e o tratamento dos distúrbios da pelve humana, incluindo os ossos, articulações, órgãos pélvicos juntamente com o assoalho muscular. O assoalho pélvico é uma estrutura complexa, formada por músculos, ligamentos e fáscias. O conjunto destas estruturas é responsável pelas funções urinárias, fecal e sexual humana, além de parte da função obstétrica.
 
Ela existe no Brasil há muitos anos, conhecida incialmente como fisioterapia uroginecológica, termo abandonado por não definir todas as disfunções e não incluir o sexo masculino nem as disfunções infantis de um modo geral. Com foco nas várias disfunções pélvicas, segue-se a tendência mundial, em busca de tratamento fisioterápico especializado para as disfunções pélvicas femininas, masculinas e infantis.
 
Alguns dos sintomas dessas disfunções são:
 
·         Incontinência urinária de esforço: Perda de urina quando tosse, espirra, pula e durante a risada;

·         Hiperatividade vesical: Vontade constante de ir ao banheiro mesmo com pouca urina;

·         Incontinência urinária de urgência: perda urina antes de conseguir chegar ao banheiro;

·         Incontinência urinária após prostatectomia radical (retirada da próstata);

·         Incontinência fecal e de flatos: Perda de fezes e gases;

·         Constipação ou prisão de ventre: Dificuldade em defecar;

·          Disfunções sexuais masculina e feminina como dor, disfunção erétil, problema de desejo, excitação, orgasmo, etc;

O tratamento de fisioterapia consiste em técnicas e recursos específicos, como cinesioterapia, eletroestimulação muscular, biofeedback, terapia comportamental, entre outras, que ajudam no controle da bexiga e da musculatura do assoalho pélvico, proporcionando qualidade de vida e melhora da auto-estima. O objetivo é promover a capacidade de contrair e relaxar adequadamente os músculos do assoalho pélvico, fortalecendo essa musculatura com o intuito de recuperar as funções de continência urinária e fecal; e sustentação dos órgãos pélvicos.

--
Patrícia Diniz - Fisioterapeuta responsável